Busca avançada
Ano de início
Entree

O impacto do novo coronavírus SARS-CoV-2 no músculo esquelético: análises morfológicas, bioquímicas e funcionais

Resumo

O estilo de vida de milhões de pessoas tem sido afetado drasticamente nos últimos meses devido à pandemia de COVID-19 causada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2. Estudos demonstraram que a COVID-19 é uma doença multiorgânica que não se limita em apenas afetar o trato respiratório dos indivíduos infectados, tendo efeitos consideráveis sobre o sistema musculoesquelético, causando fadiga excessiva, mialgia, artralgia, fraqueza muscular e danos à musculatura esquelética. Estes sintomas podem perdurar até meses após o término da infecção, impactando o dia-a-dia de indivíduos que, em teoria, deveriam ter se recuperado plenamente. Alguns estudos indicaram que a fraqueza muscular observada em indivíduos COVID-19-positivos pode ser um efeito da resposta imune desregulada ("tempestade de citocinas") que ocorre durante o curso da doença e diversas interleucinas pró-inflamatórias foram encontradas em níveis elevados no soro de inúmeros pacientes. Entretanto, pouco se sabe sobre o efeito do SARS-CoV-2 em músculos esqueléticos, principalmente de indivíduos que não necessitaram de hospitalização e suporte ventilatório. Sendo assim, nós analisaremos as propriedades contráteis de fibras e miofibrilas de músculos esqueléticos provenientes de indivíduos que apresentaram as formas leve ou moderada da COVID-19 e se recuperaram, além do conteúdo de proteínas sarcoméricas e citocinas, relacionando os nossos resultados com os possíveis efeitos de uma resposta imune desregulada. Esperamos contribuir para um melhor entendimento dos efeitos da COVID-19 no sistema musculoesquelético. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)