Busca avançada
Ano de início
Entree

Potencial promissor da articaina encapsulada em nanocápsulas de poly(epsilon-caprolactona) em anestesia tópica na cavidade bucal.

Processo: 21/00609-1
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Artigo
Vigência: 01 de março de 2021 - 31 de agosto de 2021
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia
Pesquisador responsável:Michelle Franz Montan Braga Leite
Beneficiário:Michelle Franz Montan Braga Leite
Instituição-sede: Faculdade de Odontologia de Piracicaba (FOP). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Piracicaba , SP, Brasil
Assunto(s):Anestesiologia 

Resumo

Este trabalho objetivou determinar se a capacidade de permeação e eficácia analgésica da articaína (ATC) poderiam ser aumentadas e se a citotoxicidade reduzida pela encapsulação em nanocápsulas de poly(épsilon-caprolactona) (ATC nano ), para anestesia local ou tópica em odontologia. As formulações de ATC, ATC nano, ATCcom epinefrina (ATC epi ), e ATC em nanocápsulas com epinefrina (ATCnanoepi) foram testadas quanto à viabilidade celular (teste de MTT e microscopia fluorescente) após 1 h e 24 h de exposição em células HaCaT. O perfil de permeação através de mucosa de esôfago de suínos da ATC a 2% foi comparado com ATC a 2% encapsulada (ATC nano) em células de difusão vertical do tipo Franz. Eficácia analgésica das formulações 2% ATC, 2% ATC nano, 2% ATC epi, e 2%ATC nanoepi foram comparadas com 4% ATC epi (formulação comercial disponível) foram avaliadas em um anestesiômetro de von Frey em modelo de dor pós-operatória em ratos. Demonstramos que o uso das nanocápsulas reduziu a citotoxicidade da articaína (P<0.0001) e aumentou seu fluxo através da mucosa (P =0.0007). As formulações de 2% ATC epi e 4% ATC epi promoveram maior eficácia analgésica (taxa de sucesso e duração) (P <0.05), quando comparadas com 2% ATC, 2% ATC nano, e 2% ATC nanoepi. O uso de articaína encapsulada em nanocápsulas de poly(épsilon-caprolactona) constitui uma formulação promissora para anestesia tópica na cavidade oral (previamente à injeção do anestésico local). No entanto, não foi eficaz para controle de dor quando injetado em tecido inflamado, como acontece nos casos de pulpite irreversível, por exemplo. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)