Busca avançada
Ano de início
Entree

O conhecimento da fauna parasitária dos peixes e o seu uso no processo de gestão de recursos hídricos e impactos ambientais

Processo: 19/25223-9
Modalidade de apoio:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de fevereiro de 2021 - 31 de janeiro de 2024
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Recursos Pesqueiros e Engenharia de Pesca - Recursos Pesqueiros de Águas Interiores
Convênio/Acordo: CONFAP - Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa
Pesquisador responsável:Reinaldo José da Silva
Beneficiário:Reinaldo José da Silva
Instituição Sede: Instituto de Biociências (IBB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Pesquisadores associados:Aline Angelina Acosta ; Paulo Rogério Barbosa de Miranda ; Vanessa Doro Abdallah Kozlowiski ; Velber Xavier Nascimento ; Walter dos Reis Pedreira Filho
Bolsa(s) vinculada(s):21/05736-1 - O conhecimento da fauna parasitária dos peixes e o seu uso no processo de gestão de recursos hídricos e impactos ambientais, BP.TT
Assunto(s):Impactos ambientais  Qualidade da água  Recursos hídricos  Ictioparasitologia  Interações hospedeiro-parasita 
Palavra(s)-Chave do Pesquisador:Bioindicador | Impacto ambiental | parasitas de peixes | Qualidade de Água | Ictioparasitologia

Resumo

Os ambientes estuarinos são locais de alta produtividade e diversidade. Os diferentes perfis que estas regiões apresentam propiciam a fixação de muitos organismos, que estarão expostos às altas variabilidades químicas e físicas presentes nos estuários. Nos entornos de grande parte dos estuários brasileiros ocorre, há muitos anos, o estabelecimento de muitos grupamentos humanos, que promovem os mais diversos tipos de degradação ambiental. Além da capital do estado do Alagoas, outros municípios cresceram ao redor da lagoa Mundaú e Manguaba, as quais têm ligação direta com o mar, sendo ambientes tipicamente estuarinos. A diminuição dos estoques pesqueiros na região é marcante, com o desaparecimento de algumas espécies. Além disso, a população tradicional que depende do pescado para sua subsistência corre o risco de consumir elementos tóxicos provenientes das diversas indústrias, do esgoto não tratado, e de todo lixo que é carreado para dentro das lagoas e de seus afluentes, já que tais poluentes podem ser acumulados ao longo da cadeia trófica. Para se determinar os níveis biológicos dos poluentes no meio ambiente tem-se utilizado organismos bioindicadores e bioacumuladores, em conjunto com as análises físico-químicas de água e sedimentos, as quais descrevem principalmente as concentrações totais dos respectivos poluentes no ambiente. Os parasitos de peixes têm sido considerados como bons bioindicadores de acumulação, pois a poluição ambiental afeta significativamente sua distribuição e patogenicidade. Assim, este trabalho tem como objetivo utilizar os parasitos das espécies de peixes dominantes no Complexo-Estuarino-Lagunar-Mundaú-Manguaba como possíveis bioindicadores de contaminação ambiental. Para isso, coletas dos hospedeiros ocorrerão em período chuvoso e seco, para se observar se houve diferença nas comunidades parasitárias, considerando que a água da chuva altera ainda mais a dinâmica das lagoas. Os parasitos serão coletados, identificados, e tanto estes quanto amostras de tecidos de seus peixes hospedeiros serão analisados em relação à sua capacidade de bioacumulação de certos elementos, principalmente metais. Os resultados esperados contribuirão para aumentar o conhecimento a respeito de processos bioacumulativos de poluentes no ambiente aquático, além de se obter informações sobre a diversidade de organismos parasitos na região, visto que trabalhos envolvendo esta temática são escassos. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)

Publicações científicas (4)
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
DIAS, K. G. A.; DE LEON, G. PEREZ-PONCE; DA SILVA, R. J.; VIEIRA, D. H. M. D.; LEITE, L. A. R.; DE AZEVEDO, R. K.; ABDALLAH, V. D.. Morphological and molecular data on Phyllodistomum (Digenea: Gorgoderidae) from Brazil, with the description of a new species parasitizing Hoplias malabaricus (Bloch, 1794) (Osteichthyes, Erythrinidae). JOURNAL OF HELMINTHOLOGY, v. 97, p. 11-pg., . (17/00566-5, 20/05412-9, 19/25223-9)
E. P. ALCANTARA; L. P. ÚNGARI; M. I. MÜLLER; C. FERREIRA-SILVA; E. EMMERICH; L. H. O'DWYER; R. J. SILVA. Posição filogenética de Gorgoderina parvicava Travassos, 1922 (Digenea: Gorgoderidae), parasita de Leptodactylus labyrinthicus (Spix, 1824) (Anura: Leptodactylidae) no Brasil. Brazilian Journal of Biology, v. 82, . (19/25223-9, 18/09623-4, 17/16546-3)
UNGARI, LETICIA PEREIRA; QUAGLIATTO SANTOS, ANDRE LUIZ; DA SILVA, REINALDO JOSE; O'DWYER, LUCIA HELENA. Hemogregarine Diversity Infecting Brazilian Turtles with a Description of Six New Species of Haemogregarina (Apicomplexa: Adeleorina: Haemogregarinidae). DIVERSITY-BASEL, v. 15, n. 2, p. 26-pg., . (18/09623-4, 20/05412-9, 18/00754-9, 19/25223-9)
MIRANDOLA DIAS VIEIRA, DIEGO HENRIQUE; AGOSTINHO, BEATRIZ NARCISO; NEGRELLI, DEBORA CAROLINE; DA SILVA, REINALDO JOSE; DE AZEVEDO, RODNEY KOZLOWISKI; ABDALLAH, VANESSA DORO. Taxonomy and Systematics of Two New Species of Myxobolus (Cnidaria: Myxobolidae) Parasitizing the Gills of Mugil curema (Mugilidae) from the Brazilian Coast. ACTA PARASITOLOGICA, v. 67, n. 3, p. 11-pg., . (20/05412-9, 19/25223-9)

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas utilizando este formulário.