Busca avançada
Ano de início
Entree

Uma síntese das regras de montagem de sistemas ecológicos complexos

Processo: 18/20695-7
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de setembro de 2019 - 31 de agosto de 2021
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Ecologia - Ecologia Teórica
Pesquisador responsável:Marco Aurelio Ribeiro de Mello
Beneficiário:Marco Aurelio Ribeiro de Mello
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Pesq. associados: Carsten Dormann ; Francisco Aparecido Rodrigues ; Judith Bronstein ; Sharlene Elizabeth Santana Mata
Assunto(s):Ecologia de comunidades  Redes ecológicas  Mutualismo  Antagonismo 

Resumo

A Ecologia foi chamada provocativamente por Lawton (1999, Oikos) e Vellend (2010, QRB) de "uma bagunça". Isso porque ela contém uma profusão de dados mal contextualizados e hipóteses mal testadas, mas poucas teorias formalizadas e raríssimas leis. Esse descompasso entre as áreas teórica e empírica faz com que a nossa ciência tenha baixo poder preditivo. O presente projeto visa ajudar a preencher essa lacuna através da formulação de uma nova síntese das regras de montagem de sistemas ecológicos complexos. Descobertas que fizemos em estudos anteriores nos levaram a formular a hipótese integradora da especialização (IHS), que agora pretendemos transformar em uma teoria integradora da especialização (ITS). Em um primeiro momento, pretendemos formalizar matematicamente e transformar a ITS e uma teoria eficiente, que nos possibilite gerar redes sintéticas supondo diferentes processos estruturadores. Depois, queremos comparar a estrutura de sistemas ecológicos reais com as variações observadas nesses cenários hipotéticos, a fim de desvendarmos quais processos são mais importantes em diferentes escalas. Assim, a ITS contribuirá para a solução de dois debates importantes em Ecologia: (1) trade-offs vs. processos de amplitude de nicho como explicação para a relação entre performance e especialização e (2) aninhamento vs. modularidade como topologias predominantes em redes de interação. Além disso, a nossa síntese poderá ter aplicações práticas para a resolução de problemas relacionados a interações entre espécies, como por exemplo o declínio de polinizadores, a produtividade de sistemas agroflorestais e o controle de doenças emergentes. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre o auxílio:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)

Publicações científicas (4)
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
QUEIROZ, JOEL A.; DINIZ, UGO M.; VAZQUEZ, DIEGO P.; QUIRINO, ZELMA M.; SANTOS, FRANCISCO A. R.; MELLO, MARCO A. R.; MACHADO, ISABEL C.. Bats and hawkmoths form mixed modules with flowering plants in a nocturnal interaction networkPalavras-chave. Biotropica, v. 53, n. 2, . (18/20695-7)
KERCHES-ROGERI, PATRICIA; NIEBUHR, BERNARDO BRANDAO; MUYLAERT, RENATA LARA; MELLO, MARCO AURELIO RIBEIRO. Individual specialization in the use of space by frugivorous bats. Journal of Animal Ecology, v. 89, n. 11, p. 2584-2595, . (18/20695-7, 06/00265-0, 08/10940-2, 07/03415-6, 15/17739-4, 08/10919-3, 14/24219-4, 07/03405-0)
FELIX, GABRIEL MOREIRA; PEREIRA PINHEIRO, RAFAEL BARROS; POULIN, ROBERT; KRASNOV, BORIS R.; RIBEIRO MELLO, MARCO AURELIO. The compound topology of host-parasite networks is explained by the integrative hypothesis of specialization. OIKOS, v. 2022, n. 1, . (18/20695-7)
MELLO, MARCO A. R.; FELIX, GABRIEL M.; PINHEIRO, RAFAEL B. P.; MUYLAERT, RENATA L.; GEISELMAN, CULLEN; SANTANA, SHARLENE E.; TSCHAPKA, MARCO; LOTFI, NASTARAN; RODRIGUES, FRANCISCO A.; STEVENS, RICHARD D.. Insights into the assembly rules of a continent-wide multilayer network. NATURE ECOLOGY & EVOLUTION, v. 3, n. 11, p. 1525-1532, . (15/17739-4, 17/50144-0, 18/20695-7, 16/25682-5)

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.