Busca avançada
Ano de início
Entree


Padrões bioenergéticos das aranhas de teia: considerações sobre a unidade e a diversidade do fenômeno

Texto completo
Autor(es):
Tatiana Hideko Kawamoto
Número total de Autores: 1
Tipo de documento: Tese de Doutorado
Imprenta: São Paulo.
Instituição: Universidade de São Paulo (USP). Instituto de Biociências
Data de defesa:
Membros da banca:
Carlos Arturo Navas Iannini; Ariovaldo Pereira da Cruz Neto; Fernando Ribeiro Gomes; Eduardo Novaes Ramires; João Vasconcellos Neto
Orientador: Carlos Arturo Navas Iannini
Resumo

A mecanismos fisiológicos é frequentemente usada para explicar fenômenos importantes da evolução (p.e. endotermia) e ecologia (p.e. limitações fisiológicas para ocupação de determinado microhabitat) dos vertebrados. Apesar de ser uma área promissora para fornecer explicações e mecanismo que tornam hipóteses evolutivas e ecológicas mais robustas, como já é amplamente praticado no estudo dos vertebrados, ela é raramente usada nas hipóteses elencadas para explicar a megadiversidade das aranhas de teia. Por outro lado, as leis da fisiologia são baseadas fortemente em dados de vertebrados que consistem em menos de 1% da biodiversidade existente no planeta. As aranhas são o sétimo maior táxon em número de espécies e são um bom modelo para testar a validade das regras gerais propostas para os vertebrados. Com insto em mente, o presente trabalho investigou três tipos de taxa metabólica - Metabolismo Padrão, Metabolismo Espontâneo Máximo e Metabolismo Diário - em aranhas de teia. Todas estas taxas foram obtidas através de respirometria intermitente Em um primeiro experimento, usando como modelo Loxosceles, um gênero de aranhas especialmente homogêneo em sua morfologia, testou-se o efeito de sedentarismo e intensidade de construção da teia nas taxas metabólicas. Em um segundo experimento, testou-se como as taxas metabólicas se apresentariam frente a grande diversidade das aranhas do clado Orbiculariae. Os resultados mostram que: as diferenças comportamentais analisadas não afetam significativamente as taxas metabólicas; as taxas metabólicas não possuem sinal filogenético; e o melhor modelo é o que ajusta uma relação alometrica diferente para cada gênero em detrimento de um coeficiente exponencial da massa único para toda a amostra. As diferenças comportamentais de Loxosceles provavelmente apresentam-se na distribuição de gasto energético ao longo do dia partindo de um mesmo montante energético. Os dados de diversidade de Orbiculariae provavelmente precisam ser investigados futuramente sob o aspecto das diferenças morfológicas subjacente à diversidade do clado. (AU)

Processo FAPESP: 07/59271-2 - Atividade, metabolismo energético e evolução das aranhas de teia orbicular
Beneficiário:Tatiana Hideko Kawamoto
Linha de fomento: Bolsas no Brasil - Doutorado