Busca avançada
Ano de início
Entree

Análise da variabilidade genética pela utilização de marcadores moleculares RAPD de novos isolados de Bacillus thuringiensis nocivos a Spodoptera frugiperda (Lepidoptera)

Processo: 04/11077-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2005
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2006
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Molecular e de Microorganismos
Pesquisador responsável:Manoel Victor Franco Lemos
Beneficiário:Vivian Boter Bergamasco
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias (FCAV). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Jaboticabal. Jaboticabal , SP, Brasil
Assunto(s):Bacillus thuringiensis   Spodoptera frugiperda   Controle biológico

Resumo

O controle de pragas por meio de estratégias de Manejo Integrado de Pragas (MIP) ou estratégias semelhantes que tenham o objetivo comum de manejar as pragas baseia-se na integração de várias táticas de controle com objetivo de atuação dos inimigos naturais (parasitóides, predadores e entomopatógenos) como agentes do controle de pragas. A bactéria entomopatogênica Bacillus thuringiensis é uma alternativa viável para ser usada como biopesticida ou na obtenção de plantas geneticamente modificadas. Ela produz inclusões cristalinas, denominadas genericamente de proteína cristal, sintetizadas a partir de genes cry toxicamente específicos às ordens LEPIDOPTERA, COLEOPTERA, DIPTERA e NEMATODA, matando as suas formas larvais. As proteínas cristais são, na sua maioria, codificadas por genes únicos, sendo que toxinas especificas a diferentes espécies são codificadas por genes diferentes. Este trabalho tem por objetivo a verificação da variabilidade genética através da análise polimórfica de 30 isolados de B. thuringiensis nocivos a Spodoptera frugiperda (Lepidóptera), utilizando PCR com "primers" inespecíficos com a técnica de RAPD, para filogenia entre essas linhagens. As cepas que tiverem maior identificação com a B. thuringiensis variedade kurstaki - HD-1, terão sua toxidade comprovada em bioensaios, cujos resultados podem facilitar a pesquisa e a montagem de biblioteca genômica dessa bactéria. (AU)