Busca avançada
Ano de início
Entree

De sem-terra a sem terra: memórias e identidades de trabalhadores rurais assentados

Processo: 08/58778-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de abril de 2009
Vigência (Término): 30 de novembro de 2009
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Psicologia - Psicologia Social
Pesquisador responsável:Rosemeire Aparecida Scopinho
Beneficiário:Natalia Kerche Alvaides
Instituição-sede: Centro de Educação e Ciências Humanas (CECH). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:05/51024-0 - Relações de trabalho, condições de vida e subjetividade: entre o trabalho dividido e o trabalho em cooperação, AP.JP
Assunto(s):Identidade social   Subjetividade   Assentamento rural   Memória social

Resumo

As recentes transformações econômicas e sociais tomaram o mundo rural brasileiro heterogêneo, em termos das características, necessidades e interesses dos trabalhadores. Destaca-se a emergência um novo sujeito social marcado pelo desenraizamento e pela tentativa de re-construção de identidade social de trabalhador rural a partir da inserção em movimentos de luta pela terra. Este sub-projeto de pesquisa tem como objetivo analisar a contribuição da memória no processo de re-enraizamento desses sujeitos e como os elementos desta memória dialogam com os princípios organizativos do MST - Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra no processo de reconstrução da identidade social dos trabalhadores rurais assentados. Especificamente, pretende-se: identificar as diretrizes organizativas do MST para os assentamentos rurais; analisar a relação que se estabelece entre os quadros de memória dos trabalhadores e as diretrizes do processo organizativo proposto pelo MST; identificar as representações dos trabalhadores rurais sobre as experiências passadas e as vividas atualmente no processo de luta pela terra; identificar a influência destas experiências sobre determinadas esferas da vida do sujeito: o trabalho, a família e a participação no MST. As informações serão coletadas por meio de análise bibliográfica e documental, de pré-entrevistas e de entrevistas semi-estruturadas que combinarão relatos orais de histórias de vida e perguntas exploratórias. As informações serão gravadas, transcritas e analisadas de modo a eleger categorias que permitam compreender a relação entre os quadros da memória dos trabalhadores e o processo de reconstrução da identidade social. (AU)