Busca avançada
Ano de início
Entree

O papel do óxido nítrico e das espécies reativas do oxigênio na indução de agregação plaquetária por células tumorais de cólon humano SW480 e SW620

Processo: 19/16836-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de maio de 2020
Vigência (Término): 30 de setembro de 2023
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Biologia Molecular
Pesquisador responsável:Hugo Pequeno Monteiro
Beneficiário:Fernanda Lima Torres de Aquino
Instituição-sede: Centro de Terapia Celular e Molecular. Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:18/15038-7 - O desenvolvimento tumoral sob a ótica da sinalização celular redox: modulação temporal da produção de óxido nítrico e espécies reativas de oxigênio, AP.TEM
Assunto(s):Podoplanina   Óxido nítrico   Espécies de oxigênio reativas   Neoplasias colorretais   Transdução de sinais

Resumo

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS) o câncer é a segunda principal causa de morte no mundo e em 2018 ocasionou mais de nove milhões de óbitos. Dentre os diversos tipos existentes, o câncer colorretal, que abrange tumores sólidos em um segmento do intestino grosso (o cólon) e o reto é o terceiro tipo de câncer mais frequente em homens e o segundo em mulheres, no Brasil. O microambiente tumoral é frequentemente descrito como uma "ferida que não cicatriza" sugerindo que o câncer promove uma condição inflamatória crônica regulada por células especializadas, citocinas inflamatórias, e espécies reativas como EROs e NO, que influenciam diretamente os processos de sinalização celular e também atuam nas transições epitelial-mesenquimal - EMT e mesenquimal-epitelial - MET, modulando indiretamente a disseminação tumoral. Além disso, está bem estabelecido que pacientes portadores de tumores sólidos apresentam uma ativação anormal do sistema de coagulação, com consequente tromboembolismo. O que facilita a disseminação tumoral através da secreção de lipídeos bioativos, proteínas e expressão de moléculas de superfície presentes nas plaquetas. Estas possibilitam a formação de um ambiente adequado para um transporte seguro, facilitando a disseminação tumoral. Uma vez que a metástase à órgãos distantes, depende da interação entre células tumorais e o microambiente sanguíneo e linfático. Todavia, os mecanismos envolvidos na interação de plaquetas às células tumorais; moléculas envolvidas no reconhecimento e ativação da agregação plaquetária; bem como, o modus operandi de como o transporte destas células é feito, ainda não foram totalmente elucidados. Com isso, estudos que visem entender os mecanismos envolvidos na agregação plaquetária estimulada por células tumorais são essenciais no desenvolvimento de estratégias terapêuticas, de prevenção e combate a uma associação entre a progressão do CCR e o tromboembolismo. Sendo assim, o presente estudo tem por objetivo investigar o papel da geração de NO produzido pela enzima NOS2 em células de linhagens humanas de CCR na regulação da agregação plaquetária induzida por células tumorais e na indução da transição mesenquimal-epitelial em três situações experimentais: em células de linhagem SW480 de CCR obtida em sitio primário incubadas com plaquetas humanas isoladas; células da linhagem SW620 que são a metástase em linfonodos das células SW480 incubadas com plaquetas humanas isoladas e células I12 originárias das células SW620 que tiveram a expressão da enzima NOS2 permanentemente silenciada incubadas com plaquetas humanas isoladas. Os resultados obtidos neste estudo permitirão evidenciar experimentalmente o papel do NO e das EROs na ativação da agregação plaquetária e sua possível associação com a transição MET. (AU)