Busca avançada
Ano de início
Entree

Regulação epigenética da expressão gênica em Leishmania

Processo: 20/00088-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de março de 2020
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2022
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Parasitologia - Protozoologia de Parasitos
Convênio/Acordo: MRC, UKRI ; Newton Fund, com FAPESP como instituição parceira no Brasil
Pesquisador responsável:Angela Kaysel Cruz
Beneficiário:José Carlos Quilles Junior
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:18/14398-0 - Centro Reino-Unido-Brasil para o Estudo da Leishmaniose (JCPiL), AP.TEM
Assunto(s):Leishmania   Regulação da expressão gênica

Resumo

O controle da expressão gênica em Leishmania ocorre principalmente no nível póstranscricional. Centrais nos complexos reguladores estão elementos cis e trans-reguladores, representados principalmente por elementos presentes no mRNA (elementos cis) e proteínas ligantes de RNAs (RBPs), e podem incluir um conteúdo até agora inexplorado de transcritos não codificadores (ncRNAs ), recentemente detectado nesses parasitas. O grupo demonstrou anteriormente que os ncRNAs parecem ser uma característica comum dos transcriptomas de Leishmania, e aproximadamente 300 supostos ncRNAs foram identificados como transcritos de expressão diferencial (DE). Os ncRNAs de DE L. braziliensis e as RBPs que com eles interagem serão investigados funcionalmente. Serão utilizadas tecnologias de ponta para edição de genoma para gerar knockout (KO) de ncRNAs DE em L. braziliensis epara marcar endogenamente esses ncRNAs para avaliar alterações fenotípicas e identificar parceiros em interação. Pretende-se utilizar o sistema CRISPR/Cas9 para o KO de aproximadamente uma centena de pequenos ncRNAs (transcritos entre 20-200 nucleotídeos) associando essa tecnologia com um procedimento de identificação dos genes individualmente por barcoding. Os parasitos KO para os ncRNAs serão examinados quanto à capacidade infectiva, por ensaios de infecção in vitro. (AU)