Busca avançada
Ano de início
Entree

Papel fisiológico do níquel em plantas de feijão-caupi (Vigna unguiculata L. Walp) cultivados sob estresse hídrico

Processo: 19/22998-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2020
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2020
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia - Ciência do Solo
Pesquisador responsável:André Rodrigues dos Reis
Beneficiário:Nandhara Angélica Carvalho Mendes
Instituição-sede: Faculdade de Ciências e Engenharia. Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Tupã. Tupã , SP, Brasil
Assunto(s):Nutrição mineral de plantas   Vigna unguiculata   Estresse oxidativo   Estresse hídrico   Escassez de água   Urease   Níquel

Resumo

A escassez hídrica é um dos principais limitantes para a vida dos vegetais, o que pode ser minimizado pelo suprimento de níquel (Ni) às plantas devido a sua função comprovada na defesa celular contra os danos oxidativos causados por espécies reativas de oxigênio. Além disso, o Ni é essencial no metabolismo de nitrogênio (N) por ser elemento-chave para os processos de fixação e assimilação de N em plantas leguminosas. Muito o que se sabe sobre o papel do Ni foi relatado em soja e poucos dados vêm sendo reportados em outras espécies de leguminosas. A hipótese a ser testada é que o suprimento com Ni pode melhorar o uso fisiológico de N e reduzir o estresse ocasionado pela seca em genótipos de feijão-caupi. Portanto, objetivar-se-á com essa proposta: (I) avaliar o efeito do Ni sobre o metabolismo de N e do sistema antioxidante e (II) avaliar o efeito do Ni sobre a ultraestrutura foliar, nutrientes, carboidratos, uso da água, trocas gasosas e produtividade de grãos de feijão-caupi em resposta à seca. Para isso, será instalado um experimento em casa de vegetação com plantas de feijão-caupi cultivado em solos fertilizados com cinco doses de Ni (0; 0,25; 0,5; 1 e 2 mg kg-1 de Ni) sob diferentes capacidades de água disponível (CAD): 30% da CAD (estresse hídrico) e 80% da CAD (controle). Para análises fisiológicas (atividade fotossintética, fluorescência da clorofila a, potencial matricial foliar), bioquímicas (metabolismo antioxidante, urease, prolina, ureídeos) e nutricionais, serão coletados folhas e nódulos durante o estádio R1. As plantas serão cultivadas até o final do ciclo para determinar os componentes de produção e produtividade de grãos. As respostas metabólicas diferenciais ao suprimento do Ni podem destacar informações que contribuirão para a resiliência da cultura frente às mudanças climáticas globais.