Busca avançada
Ano de início
Entree

Mutação do iglD de Francisella noatunensis por mutagênese insercional de marcadores de genes fluorescentes

Processo: 19/24930-3
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 15 de janeiro de 2021
Vigência (Término): 14 de maio de 2021
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Recursos Pesqueiros e Engenharia de Pesca - Aquicultura
Pesquisador responsável:Maria José Tavares Ranzani de Paiva
Beneficiário:Miguel Frederico Fernandez Alarcon
Supervisor no Exterior: Esteban Soto
Instituição-sede: Instituto de Pesca. Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA). Secretaria de Agricultura e Abastecimento (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Local de pesquisa : University of California, Davis (UC Davis), Estados Unidos  
Vinculado à bolsa:18/24508-7 - Vacina viva atenuada obtida por meio da deleção de genes da Francisella noatunensis subsp. orientalis para tilápia-do-Nilo, BP.PD
Assunto(s):Doenças dos animais   Vacinas   Oreochromis niloticus

Resumo

O objetivo principal deste projeto é permitir ao aluno de pós-doutorado investigar se a atenuação do patógeno Francisella noatunensis subsp. orientalis (Fno) através da mutagênese insercional de marcadores de um gene fluorescente é plausível. Especificamente, nosso objetivo é produzir uma cepa mutante de Fno por mutagênese insercional de um gene que codifica a proteína fluorescente verde ou a proteína m-cherry, resultando na inativação do gene iglD, de uma cepa Fno de tipo selvagem isolada no laboratório do Instituto de Pesca ( IPFNO0012018) a partir de tilápia (Oreochromis spp.) proveniente de uma criação no Brasil. Os experimentos serão conduzidos em colaboração com a Universidade da Califórnia, Davis. O iglD está localizado na Ilha da Patogenicidade da Francisella (FPI) e suspeita-se que desempenha um papel na sobrevivência e proliferação intracelular de Fno. A mutação será confirmada por PCR, sequenciamento gênico e estudos de fluorescência in vitro. A virulência da cepa mutante gerada será comparada à cepa de tipo selvagem in vivo usando alevinos de tilápia como modelo de infecção. Resumidamente, a dose letal 50 das cepas de tipo selvagem e mutante será investigada usando desafios de imersão durante um período de 30d.