Busca avançada
Ano de início
Entree

O Brasil e a França na mundialização neoliberal: mudanças políticas e contestações sociais

Processo: 18/02376-1
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Livros no Brasil
Vigência: 01 de maio de 2018 - 30 de abril de 2019
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Ciência Política
Pesquisador responsável:Andréia Galvão
Beneficiário:Andréia Galvão
Instituição-sede: Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Sociologia política  Movimentos sociais  Sindicalismo  Neoliberalismo 

Resumo

Este livro, que resulta de uma pesquisa desenvolvida no âmbito de um acordo Capes-Cofecub entre 2012 e 2015, trata dos processos políticos e sociais que caracterizaram o Brasil e a França no decorrer dos últimos vinte e cinco anos. A pesquisa buscou analisar como países com estruturas sócio-econômicas e políticas tão distintas como o Brasil e a França atravessaram o período de consolidação e crise da mundialização neoliberal, entre 1990 e 2016. Os artigos compreendidos no livro desenvolvem-se em torno de quatro eixos temáticos: 1) as mudanças produzidas pelos governos do Partido Socialista na França e pelos governos do PT no Brasil a fim de discutir em que medida esses governos se distanciaram do neoliberalismo; 2) a identificação das classes médias e sua participação nas mobilizações coletivas; 3) o papel do sindicalismo diante da esquerda no poder; 4) a organização e a mobilização das frações precarizadas das classes populares.Os treze capítulos do livro tratam de conceitos importantes para a compreensão da conjuntura analisada e os conflitos sociais nela produzidos: neoliberalismo, social-liberalismo, neodesenvolvimentismo. Além de analisar as políticas implementadas pelos governos de esquerda que estiveram no poder entre 1990 e 2016 em cada um dos países, os textos procuram discutir as reivindicações, formas de ação e o tipo de mobilização das classes populares e das classes médias nos dois países. Os artigos também tratam do movimento sindical e popular, com destaque para os desempregados e os sem-teto. Destaque-se que, dentre os 17 autores do livro, 7 são atuantes no estado de São Paulo. (AU)