Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação da via da necroptose em paciente com sepse

Processo: 16/16339-5
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Regular
Vigência: 01 de fevereiro de 2017 - 31 de julho de 2019
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Ary Serpa Neto
Beneficiário:Ary Serpa Neto
Instituição-sede: Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein (IIEPAE). Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein (SBIBAE). São Paulo , SP, Brasil
Pesq. associados:Adriano José Pereira ; Ricardo Weinlich ; Thiago Domingos Correa
Auxílios(s) vinculado(s):17/50147-9 - Avaliação da necroptose em pacientes com sepse e choque séptico, AP.R SPRINT
Assunto(s):Choque séptico  Inflamação  Sepse 

Resumo

A sepse, uma resposta inflamatória sistêmica aguda, é um quadro grave, levando a óbito em aproximadamente 30% dos casos. Tem alto impacto financeiro, chegando a ser responsável por mais de um terço dos custos hospitalares. Apesar das descobertas recentes, os mecanismos envolvidos na iniciação e na progressão da sepse ainda não foram completamente elucidados, dificultando seu tratamento. Uma das características presentes durante o quadro é a morte massiva de células do sistema imune. A necroptose, uma via de morte celular recentemente descoberta, tem alto potencial inflamatório e já foi envolvida em diversas patologias que concorrem com inflamação e infecção. Em modelos animais de sepse, camundongos deficientes em componentes da via de necroptose ou tratados com inibidores farmacológicos contra esta via apresentaram menor mortalidade e menor número e intensidade de disfunções orgânicas, indicando que a necroptose contribui para os efeitos deletérios desta condição. Até o presente momento, porém, nenhum estudo avaliou a associação entre a via de necroptose e sepse em seres humanos. Desta forma, o objetivo deste presente projeto é investigar se há um aumento nos níveis de necroptose em células do sangue periférico de pacientes com sepse comparado a pacientes controles internados na UTI e analisar se a intensidade da ativação desta via de morte celular se correlaciona com a gravidade da doença. Em conjunto, os dados gerados durante este estudo tem o potencial de apontar novos marcadores prognósticos de presença e gravidade de sepse bem como possibilidades inovadoras de intervenção farmacológica para o seu controle. (AU)