Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeito dos caracteres das sementes na variação geográfica do tamanho corporal e do dimorfismo sexual de tamanho do besouro consumidor de sementes Acanthoscelides macrophthalmus

Processo: 16/14587-1
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Artigo
Vigência: 01 de setembro de 2016 - 28 de fevereiro de 2017
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Ecologia - Ecologia Aplicada
Pesquisador responsável:Marcelo Nogueira Rossi
Beneficiário:Marcelo Nogueira Rossi
Instituição-sede: Instituto de Ciências Ambientais, Químicas e Farmacêuticas (ICAQF). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus Diadema. Diadema , SP, Brasil
Assunto(s):Ecologia evolutiva 

Resumo

O entendimento de padrões de variação no tamanho corporal em amplas escalas tem sido considerado uma questão central em ecologia e biologia evolutiva, já que diversos caracteres de história de vida estão diretamente relacionados com o tamanho corporal. Para organismos ectotérmicos pouco se sabe sobre os processos que influenciam a variação geográfica no tamanho corporal. Alterações no tamanho corporal e no dimorfismo sexual de tamanho (SSD) têm sido associadas à variações ambientais, principalmente para insetos Bruchinae, os quais se alimentam exclusivamente de sementes durante o estágio larval. No entanto, o efeito de caracteres importantes das sementes na variação do tamanho corporal tem sido raramente investigado, e pouco se sabe se o SSD varia substancialmente entre diferentes populações, considerando uma mesma espécie de bruquíneo. Utilizando o bruquíneo Acanthoscelides macrophthalmus infestando sua planta hospedeira Leucaena leucocephala, foi investigado se caracteres específicos das sementes (dureza, tamanho, conteúdo de água, relação carbono/nitrogênio e fenóis) são determinantes no que diz respeito à variação geográfica no tamanho corporal e no SSD de A. macrophthalmus. Também foi investigada a relação entre o tamanho corporal e o SSD com a latitude e a altitude. O tamanho corporal de ambos os sexos, quando somados, não foi relacionado com a latitude, altitude e com os demais caracteres físicos e químicos. No entanto, o tamanho corporal das fêmeas tendeu a variar mais em termos de tamanho do que os machos, gerando variações significativas no SSD em relação a latitude e altitude. As fêmeas foram maiores nas maiores latitudes e nas baixas altitudes, precisamente onde o conteúdo de água das sementes foi maior. Desta forma, os resultados sugerem que o conteúdo de água das sementes foi o caractere mais importante, afetando mais severamente as fêmeas, gerando variação geográfica no SSD de A. macrophthalmus. (AU)