Busca avançada
Ano de início
Entree

Da lona ao roçado: memórias e experiências entre moradores de um assentamento de reforma agrária

Processo: 11/50858-6
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Publicações científicas - Livros no Brasil
Vigência: 01 de agosto de 2011 - 31 de julho de 2012
Área do conhecimento:Ciências Sociais Aplicadas - Direito
Pesquisador responsável:Fabiana Cristina Severi
Beneficiário:Fabiana Cristina Severi
Instituição-sede: Faculdade de Direito de Ribeirão Preto (FDRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Reforma agrária  Assentamento rural  Movimentos sociais  Movimento dos sem-terra  Memória coletiva  Experiências  Subjetividade  Livros  Publicações de divulgação científica 

Resumo

A presente obra é resultado de nosso trabalho de doutoramento em que buscamos entender em que aspectos os assentados de reforma agrária percebem mudanças gerais em sua subjetividade, em razão do seu ingresso em uma luta coletiva pela terra. Realizamos o trabalho de pesquisa junto a assentados e assentadas moradores de um assentamento de reforma agrária, criado em razão de uma anterior ocupação realizada pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). Procurávamos analisar a dimensão educativa dos movimentos sociais rurais, em especial o MST, em suas ações coletivas de luta pela reforma agrária, sob a óptica do assentado rural, sobretudo, as modificações nas concepções sobre relações de gênero, participação política, causas de desigualdade social e educação dos filhos. Interessou-nos conhecer a história de vida deles, compreender as formas de engajamento na luta, a percepção que tem acerca dos demais atores presentes nesse campo social; como se sentem hoje e como veem o futuro no assentamento. Como marcos teóricos para análise, buscamos na Teoria Crítica (em especial Walter Benjamin e Theodor W. Adorno) elementos que nos permitissem situar a política no cotidiano das experiências que rememoram o passado e que constroem bases objetivas e subjetivas para a interrupção das vivências de autoritarismo e da reprodução dos mecanismos de dessensibilização dos indivíduos. (AU)