Busca avançada
Ano de início
Entree

Mecanismos subjacentes ao desenvolvimento de estados comportamentais adversos ligados à variações hormonais no sexo feminino: implicações para o tratamento de disforias pré-menstruais em mulheres

Processo: 19/05240-6
Linha de fomento:Auxílio à Pesquisa - Pesquisador Visitante - Internacional
Vigência: 20 de janeiro de 2020 - 13 de março de 2020
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia - Neuropsicofarmacologia
Convênio/Acordo: CONFAP ; Newton Fund, com FAPESP como instituição parceira no Brasil ; UK Academies
Pesquisador responsável:Hélio Zangrossi Júnior
Beneficiário:Hélio Zangrossi Júnior
Pesquisador visitante: Thelma Lovick
Inst. do pesquisador visitante: University of Bristol, Inglaterra
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Ciclo estral animal  Ratas  Ansiedade  Pânico  Depressão  Alopregnanolona  Intercâmbio de pesquisadores 

Resumo

A pesquisadora visitante (Thelma Lovick) trabalhará com os membros dos laboratórios coordenados pelos Professores Hélio Zangrossi Junior (Solicitante do Pedido) e Norberto Cysne Coimbra (co-solicitante), ambos da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP. O objetivo é aprofundar a nossa compreensão sobre o modo como as mudanças nos hormônios sexuais femininos, que ocorrem durante o ciclo menstrual (estral em outros animais) impactam no comportamento, bem como sobre os mecanismos que são subjacentes a estas mudanças. Espera-se com isso desenvolver ao longo prazo novas e eficazes estratégias para tratar transtornos pré-menstruais em mulheres. Os experimentos propostos são: No laboratório do Prof. Hélio Zangrossi: i) Utilizando-se de um modelo de pânico em ratos, a exposição a baixas concentrações de oxigênio, iremos testar se a administração de baixas doses de fluoxetina na fase do diestro tardio inibirá a expressão de comportamentos relacionados ao pânico que ocorre nesta fase do ciclo estral. ii) Se a administração de ganaxolona, um análogo da allopregnanolona (ALLO), que é um metabólito neuroativo da progesterona, terá o mesmo efeito. iii) Estabilizar a flutuação na concentração de ALLO durante a fase de diestro, bloqueando a conversão da sua molécula precursora, evitará as respostas do tipo pânico no diestro tardio. iv) Se a administração de fluoxetina ou ganaxolona previne a sobre-regulação da expressão de subunidades do receptor GABAA no diestro tardio. Esta alteração no receptor GABAA tem sido proposta como o principal fator subjacente ao aumento da excitabilidade em circuitos neurais que mediam comportamentos semelhantes aos de medo. v) Explorar os substratos neurais e endócrinos subjacentes às alterações associadas ao pânico observadas em fêmeas submetidas à privação materna neonatal. Dois projetos no laboratório do Prof. Norberto foram delineados para complementar o trabalho a ser realizado no laboratório do Prof. Hélio Zangrossi. Eles investigarão: i) A extensão dos achados obtidos anteriormente, através da análise do comportamento de fêmeas, nas diferentes fases do ciclo, submetidas um teste de grande valor etológico, a exposição de roedores a um predador natural, no caso a cobra. ii) O padrão, nas diferentes fases do ciclo estral, da aquisição e da evocação de respostas comportamentais defensivas em diferentes modelos experimentais de medo e ansiedade.Outras ações que aumentarão o impacto do intercâmbio: Um novo curso de pós-graduação, em desenvolvimento, apresentará aos alunos diferenças sexuais na função cerebral e na ação das drogas. O pesquisador visitante ministrará os seminários em inglês. (AU)